Central de Reservas: 0800 70 75 292
PT EN Acompanhe-nos
nas redes sociais
Acesso restrito.
Nº de quartos
1
Quarto
Adultos
1
Crianças 0 aos 12 anos
1
Criança
Reservar

BLOG

Caldas da Imperatriz: tudo sobre a força e o poder das águas hidrominerais e hidrotermais, a cidade, os tratamentos e a história da região

Santo Amaro da Imperatriz fica bem pertinho de Florianópolis e oferece prazeres especiais para quem vai lá. Tem floresta, tem pássaros, tem trilhas, tem belezas e tem conforto e alegria. Mais do que tudo isso tem águas poderosas. Águas que curam. Águas que rejuvenescem. Águas que fortalecem a vida da gente. São as águas termominerais, consideradas de grande qualidade e de grande força. São águas especiais e super respeitadas em todo o mundo. Todo o poder destas águas tem uma história. Vamos a ela. A fonte Caldas da Imperatriz foi descoberta por caçadores no território de São José em 1813. Informado do fato, o governo da época resolveu enviar para aquele ponto um destacamento de milicianos, para dela tomar conta e encarregar-se de sua conservação. Privados da abundante caça que se encontrava na região, os moradores atacaram os milicianos em 1814, exterminando o destacamento.

A primeira manifestação oficial a respeito de Caldas da Imperatriz ocorreu com o pronunciamento do governador da Província de Santa Catarina publicado em 1818. Outra ação oficial foi o decreto do rei D. João VI em 1818, considerado a primeira lei de criação de uma Estância Termal no Brasil.

A construção do hospital foi iniciada no governo do coronel João Vieira Tovar e Albuquerque, mas inconclusiva a ponto de o presidente da província, Feliciano Nunes Pires, sancionar uma lei em 1835, encarregando a administração da Câmara Municipal de São José a arrecadar da província o dinheiro prometido e vencido para a construção de uma casa com dez alcovas. Como essa lei nunca foi executada, Antero José Ferreira de Brito, a quem a direção da província é passada em 1843, decreta a abertura de uma subscrição a fim de conseguir auxílios para a construção do hospital. A luta do presidente da província para satisfazer a sua intenção foi intensa. A abertura das subscrições conseguiu sensibilizar a Imperatriz, que doa, então, quatrocentos mil réis para a construção da casa e aceita o título de Protetora do Hospital das Caldas, permitindo que estas se denominassem Caldas da Imperatriz. Essa quantia foi suficiente para que o presidente da província construísse uma casa com quatro alcovas mobiliadas. Em 1847, o Hospital das Caldas da Imperatriz teve um grande impulso com a metade do edifício construída e acomodando 40 doentes. Em 1932, o Hotel foi ampliado pelo Governo com a construção de mais 22 quartos, que foram ocupados, durante alguns anos, pelo pessoal do Ministério da Saúde, encarregado da erradicação da malária em toda a região. Em 1942, foi dado ao Governo do Estado de Santa Catarina o direito de lavra das fontes “Caldas da Imperatriz”. Em 1977, o Governo Estadual criou a Companhia Hidromineral Caldas da Imperatriz. Em 1978, a Companhia Hidromineral participou do empreendimento com a Rede PIaza de Hotéis, possibilitando a construção do hotel, em funcionamento desde 1981. O hotel foi posteriormente transformado em resort – meio de hospedagem de lazer – e SPA, com tratamentos a base desta milagrosa e poderosa água. Ali se fazem tratamentos especiais,para a saúde e para a estética.

A CIDADE E SUA NOMENCLATURA

A denominação do atual município de Santo Amaro da Imperatriz sofreu diversas alterações no percurso de sua história. Primeiramente, foi denominado “Arraial do Cubatão”, nome proveniente do rio Cubatão, que lhe banha as terras. Mais tarde os moradores, necessitando de um local para suas reflexões religiosas, levantaram a primeira capela e dedicaram-na a Sant’Ana. Por esse motivo, o arraial mudou o nome para “Arraial de Sant’Ana do Cubatão”.

Sendo construída a nova capela dedicada ao padroeiro “Santo Amaro” entre 1850 e 1853, a denominação do arraial sofre nova alteração, sendo chamado então “Santo Amaro”. Esta designação foi alterada para “Cambirela” de acordo com um decreto federal de 1941, que regulamentava os nomes próprios de lugares no País. Essa denominação vigorou de 1944 até 1948, quando, devido às reclamações justificadas e contínuas do povo, que não se conformava com o nome pagão, foi revogado o dispositivo anterior, determinando que o município fosse chamado “Santo Amaro da Imperatriz”.

HISTÓRIA

É provável que por volta de 1795 tenham chegado os primeiros desbravadores do então “Arraial do Cubatão”, famílias de origem açoriana que se transferiram do litoral das vizinhas localidades de São José e Enseada do Brito, tempos em que o Arraial ainda era coberto de matas virgens e de índios. Mais tarde, famílias de origem alemã, que se retiraram da Colônia de Teresópolis, também fixaram residência no Arraial iniciando as atividades na lavoura, construção de engenhos de açúcar, farinha de mandioca e de serras de madeira. O antigo arraial, então conhecido por “Sant’Ana do Cubatão”, fazia parte da paróquia de São José. De 1837 a 1839, foi construída uma capela no local chamado morro da Tapera, onde, em 1845, os imperadores D. Pedro de Alcântara e sua esposa Tereza Cristina foram festivamente recebidos.

Com o aumento da população, a capela foi ficando pequena. O povo resolveu então, escolher um local mais espaçoso para a edificação de uma outra igreja. Assim, em 1850, foi colocada a pedra fundamental da Capela Matriz no arraial que passou a denominar-se “Santo Amaro do Cubatão”.

A lei de 1854, do presidente da Província, desmembra o território do Cubatão da paróquia de São José a fim de formar uma nova freguesia com a denominação de Santo Amaro. A capela existente neste lugar serviria de matriz. Com o aumento crescente da população a capela-matriz tornou-se pequena demais e surgiu a ideia de levantar uma matriz nova e espaçosa sendo iniciada, em 1907, a solenidade de colocação da pedra fundamental do novo edifício.

A denominação Santo Amaro foi substituída pela de Cambirela, em virtude de decreto-lei federal de 1941 pelo qual deverá ser eliminada a duplicata de nomes de cidades e vilas em todo o País. Como existiam seis localidades chamadas Santo Amaro no Brasil, cinco delas sofreram modificações, mantendo-se apenas a do Estado da Bahia. Mas a comunidade santo-amarense não se conformava como nome de Cambirela, já que este não tinha significado tradicional ou histórico. Assim sendo, em finais do ano de 1948, a comunidade se organizou através de um abaixo-assinado endereçado ao sr. governador propondo duas alternativas: Santo Amaro da Imperatriz ou Santo Amaro do Cubatão. Todos os assinantes foram unânimes, manifestando-se por Santo Amaro da Imperatriz. Não foi conseguido precisar a data, ou a lei com que a nova denominação Santo Amaro da Imperatriz começou a vigorar, mas foram encontradas referências à nova designação em Diário Oficial do último trimestre de 1948.

Santo Amaro da Imperatriz, a primeira estância hidromineral do País é conhecida hoje como o Verde Vale das Termas.A cerca de 38 quilômetros de Florianópolis, Santo Amaro da Imperatriz é cortada pelo rio Cubatão do Sul. Suas águas termais, que alcançam a temperatura de 40 graus, têm transformado a cidade no palco de vários esportes de aventura, como rafting, parapente, técnicas verticais e trekking.

Com seus 338 km quadrados de área territorial, dos quais 72% situados em área de preservação permanente, o município está situado em posição geográfica privilegiada, ligada ao planalto e ao litoral catarinense pela BR 282.

As belezas naturais e a água termal, qualificada como uma das melhores do mundo, predominam no Verde Vale das Termas, proporcionando desta forma um fluxo intenso de turistas, que buscam, nas propriedades medicinais das águas termais, vigor e saúde. As montanhas imponentes da Mata Atlântica, um verdadeiro santuário ecológico, as belezas e os mistérios da Serra do Tabuleiro, contribuem para que o Município se torne cada vez mais belo.

Fontes: www.portalsantoamaro.com.br; www.zone.com.br; www.sc.gov.br;
www.backlistas.com.br; www.portalsantoamaro.com.br

PLAZA CALDAS DA IMPERATRIZ RESORT & SPA

Em meio às montanhas do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro, uma das maiores reservas da Mata Atlântica, está localizado o Plaza Caldas da Imperatriz Resort & Spa.
Com uma área de 1,4 milhões de metros quadrados, o Hotel oferece piscinas e banheiras com água termomineral radioativa, considerada uma das melhores do mundo, piscinas térmicas e ao ar livre, SPA com programas de emagrecimento, reeducação alimentar e anti-estresse, vários tratamentos de beleza e estética , sessões de massagens relaxantes e reenergizantes, recreação adulta e infantil, atividades físicas acompanhadas por professores de Educação Física, jardim com ponte pênsil, engenho colonial, trilha interpretativa, trilhas ecológicas, observação de aves e ainda a Pousada da Mata, um verdadeiro refúgio natural, distante 2,5 km do Hotel. Para reuniões e eventos, o Bloco Executivo oferece salas e equipamentos. Tudo isso com o serviço de qualidade e tradição da Rede Plaza de Hotéis, Resorts & SPAs.

PLAZA CALDAS
O SPA Plaza Caldas foi inaugurado no ano de 1988 e tem como objetivo o bem-estar físico, mental, social e espiritual, melhorando a qualidade de vida.
Visando proporcionar momentos agradáveis em sua estada, colocamos à disposição esse moderno centro de beleza dotado de aparelhagem de última geração para uma completa reciclagem de beleza e relaxamento.
Mediante hora marcada , você poderá desfrutar de inúmeros tratamentos, bem como do salão de beleza para depilação, manicure, pedicure, penteados, tratamentos capilares, etc.

 

ORIGEM GEOLÓGICA
As fontes termais emergem de terrenos pré-cambrianos e as rochas dominantes são os micaxistos e os gneisses, cortados por veios de diabásios e de pegmatitos, e pelo granito. Atribui-se a origem das águas a um derrame triássico, que invadiu todo o Sul do Brasil.

Indicações para uso das águas hidrotermais

APARELHO DIGESTIVO
Estimulante das funções digestivas: colecistite, atonia gástrica, intestinal e vesical, dispepsia e doenças hepáticas.

REUMATISMO
Artrite, artrose, fibromiosite, gota, dores reumáticas, tanto nas costas (coluna) como nas demais partes do corpo.

APARELHO RENAL RENOVESICAL
Pielite, pielonefrite, cistites não infecciosas, nefrite crônica e eliminadora de cálculos renais e uretrais.

PELE
Uso balneoterápico no tratamento das dermatoses alérgicas: eczema, urticária, psoríase, ptiríase, manchas, cabelos fracos ou escassos. É indicado o aproveitamento da temperatura e da radioatividade, através de banhos com massagens suaves na água mineral quente e banhos de sol moderado.

DOENÇAS METABÓLICAS
Produz equilíbrio metabólico em uso hidropínico aplicável, portanto, nas doenças reumáticas.

SISTEMA NERVOSO
Calmante pela ação relaxante das tensões neuropsíquicas, melhora a insônia, a tensão nervosa, a ansiedade, a nevralgia e a depressão.

AÇÃO DESINTOXICANTE, HIDRATANTE E REJUVENESCEDORA

INSTRUÇÕES PARA TRATAMENTO

ALERTA
Os banhos nas águas termais acima de 36 graus centígrados baixam a pressão e abaixo de 35 graus aumentam.

BANHOS
De 15 minutos a 37 graus duas vezes ao dia, com vinte minutos de descanso, deitado, depois de cada banho. A cada três dias, aumentar em cinco minutos a duração do banho, até o máximo de 40 minutos. Ao secar-se não friccionar com a toalha.

BEBIDAS
Tomar 4 copos grandes de água quente, como sai da torneira, um antes de cada refeição (cerca de meia hora antes). Observar que a água termomineral tem efeito laxante.

SAUNA
Diariamente ou em dias alternados com duração de 10 minutos por vez, se não houver contra-indicação médica.

PISCINA TERMAL
Durante 15 minutos, movendo-se lentamente.

MASSAGEM E MOBILIZAÇÃO
Deve ser feita após o descanso diário.

HIDROMASSAGEM
Durante 20 minutos, na piscina hidromineral ou nas banheiras.

EFEITOS TERAPÊUTICOS DAS ÁGUAS MINERAIS

As propriedades terapêuticas das águas minerais são conhecidas desde a antiguidade, quando acreditava-se que as fontes descobertas eram manifestações sobrenaturais protegidas por deuses a ninfas.

Os primeiros estudos científicos sobre a hidroterapia começaram com a promulgação da primeira legislação sobre águas minerais na França em 1604. Desde então, a cura pelas águas tornou-se um dos ramos auxiliares da medicina com a denominação de Crenoterapia (crenos=fonte).

Antes de conhecer os efeitos terapêuticos das águas minerais deve-se descobrir que tipo de água se está tomando, pois cada água mineral tem sua própria composição físico-química, que depende dos diversos tipos de rochas por onde são filtradas, da radioatividade e da temperatura de cada fonte. Para uma melhor escolha, a ABINAM – Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais – recomenda atenção à informação sobre a análise da composição físico-química do rótulo do produto.

Genericamente, toda a água mineral traz benefícios à saúde e à beleza, sendo importante não esperar ter sede para ingerí-la. A sede é um sintoma de desidratação demonstrando que o organismo já está em débito. Recomenda-se o consumo diário de 1 a 2 litros, dependendo da necessidade de cada organismo. Desportistas precisam de maiores quantidades, antes e depois de praticar exercícios.

As águas alcalinas são recomendadas para hidratação da pele e combate à seborréia. As carbônicas têm a propriedade de reduzir o apetite. As águas sulfurosas ou sulfuradas são as mais indicadas para o tratamento de afecções cutâneas, tanto para aplicação local, quanto para ingestão. O enxofre presente nessas águas potencializa a ação anti-séptica e antiparasitária, favorecendo a regeneração da queratina (proteína encontrada na pele, unhas e cabelos) e atuando no combate à acne a às dermatites.

No Brasil, a maior produção é de águas minerais leves e macias, classificadas na fonte como radioativas, fracamente radioativas e hipotermais, assim como águas classificadas quimicamente como fluoretadas, carbogasosas e oligominerais (com vários sais em baixa concentração).

Conheça outras classificações e suas indicações:
Fluoretadas – para saúde de dentes e ossos;
Radioativas – dissolvem cálculos renais e biliares, favorecem a digestão, são calmantes e laxantes, filtram o excesso de gordura do sangue;
Bicarbonatadas sódicas – doenças estomacais, como gastrites e úlceras gastroduodenais, hepatite e diabetes;
Oligominerais – higienizam a pele, diurese, intoxicações hepáticas, ácido úrico, inflamações das vias urinárias, alergias e estafa.

BOLETIM DE EXAMES DA ÁGUA
As águas termominerais de Caldas da Imperatriz apresentam as seguintes propriedades, de acordo com a classificação: “Água Mineral Fluoretada, Radioativa e Hipertermal na fonte.”( Segundo o código de Águas Minerais em estudo realizado pelo LAMIN/CPRM Boletim 270/LAMIN/CPRM/96 de 12 de junho de 1996)

ANÁLISE DE RADIOTIVIDADE NATURAL EM ÁGUA MINERAL
A amostra analisada apresentou um teor de radônio 222 que corresponde a 32,87 Maches na fonte.

COMPOSIÇÃO QUÍMICA PROVÁVEL
Bicarbonato de Sódio – 20,33 mg/l
Bicarbonato de Cálcio – 23,74 mg/l
Bicarbonato de Potássio – 11,78 mg/l
Bicarbonato de Magnésio – 18,41 mg/l
Cloreto de Sódio – 4,35 mg/l
Sulfato de Estrôncio – 0,04 mg/l
Fluoreto de Sódio – 2,12 mg/l
Óxido de Silício – 32,95 mg/l

CARACTERÍSTICA FÍSICA QUÍMICAS
Temperatura na Fonte – 39,8°C
Radioatividade na Fonte em Maches – 32,87
PH – 25°C 7,04
Condutividade elétrica a 25°C em mhos/cm – 9,16×10(-5)
Resíduo de Evaporação a 180°C – 88,14 mg/l

EXAME FÍSICO-QUÍMICO Nº 54147
PH – 7,04
Alcalinidades HO- – 0 mg/IcaCO3
Alcalinidades CO3– – 0 mg/CaCO3
Alcalinidades HCO3- – 35 mg/CaCO3
Gás Carbônico Livre (Graf.) – 2,8 mg/I CO2
Dureza Total – 21,9 mg/IcaCO3
Dureza Permanente – 0,0 mg/IcaCO3
Dureza Temporária – 21,9 mg/IcaCO3
Nitrogênio Albuminóide – < 0,023 mg/IN
Nitrogênio Almoniacal – < 0,023 mg/IN
Nitrogênio Nitrito – < 0,006 mg/IN
Nitrogênio Nitrato – 0,20 mg/IN
Fosfato (orto) – < 0,005 mg/IP
Cloreto – 2,6 mg/ICI
Fluoreto – 0,79 mg/IF
Sulfato – < 2 mg/ISO2
Sílico – 38 mg/ISIO2
Oxigênio consumido (em meio alcalino) – < 1 mg/IO2
Turbidez a frio – 0,20 FTU
Cor – 0,5 mgPt/I
Cond. Esp. A 25°C – 90 H/cm
Resíduo Total – 87 mgI
Resíduo Fixo – 68 mg/I
Oxigênio Consumido – 0,2 mgIO
Ferro – 0,005 mgIFE
Alumínio – < 0,02 mg/IAI
Cálcio – 5,8 mg/ICa
Chumbo – < 0,002 mg/IPb
Cobre – 0,01 mg/ICu
Magnésio – 1,8 mg/Img
Manganês – < 0,002 mgI/Mn
Odor a frio – Terroso
Potássio – 3,33 mg/IK
Resíduo a 180oC – 83 mg/I
Sódio – 9,1 mg/INa
Zinco – < 0,0006 mg/IZn
Odor a quente – Terroso
Turbidez após fervura – 0,20 FTU


Comentários



Newsletter background

Receba nossas novidades

2024-05-24 09:42:29 - 1716543749
Já foi!