Central de Reservas: 0800 70 75 292
PT EN Acompanhe-nos
nas redes sociais
Acesso restrito.

BLOG

Especialista em turismo Abdon Barretto Filho escreve sobre compartilhamento das reservas hoteleiras

Compartilhamento das reservas hoteleiras

Na Economia Compartilhada, novos modelos de negócios estão sendo desenvolvidos utilizando aplicativos em smartphones e tablets, aproximando os consumidores e fornecedores, oferecendo serviços personalizados. É o fim do intermediário tradicional, descartando a necessidade de uma série de serviços profissionais que estão sendo ameaçados se não agregarem valores diferenciados e percebidos pelos usuários. No transporte individual, os serviços on-line ligam os motoristas e os clientes, substituindo as cooperativas e sindicatos. Toda a regulamentação do setor deve estar sendo discutida quando o proprietário de um carro vinculado a determinado aplicativo torna-se uma opção para a serviço do taxista que tem atividade regulamentada, fiscalização constante e pagador de taxas e impostos. Com serviço personalizado, o passageiro solicita o carro pelo smartphone, identifica o motorista, verifica a nota dada pelos outros usuários e a localização no GPS. São utilizados carros de luxo, veste terno, abre a porta para o passageiro, oferece água, revista, salgadinhos e mantém ar condicionado funcionando. Além disso, tem o trajeto definido pelo Google Maps e recebe o pagamento em cartão de crédito. É óbvio que tem preço diferenciado. A regulamentação é indispensável.

Na hotelaria, o novo modelo da Economia Compartilhada disponibiliza páginas da internet com imóveis particulares que podem ser alugados por curtas temporadas e colocam os interessados em contatos diretos com os proprietários. Ignoram as agências de turismo e até imobiliárias. Além disso, as casas e apartamentos com preços menores substituem os apartamentos dos hotéis, pousadas, resorts, entre outros meios de hospedagem. Consequentemente, podem influenciar e até eliminar os serviços tradicionais e todo o sistema utilizado, inclusive os colaboradores do ramo de atividade: gerências, reservas, recepção, governança, entre outras. O tema está sendo discutido em todo o mundo e algumas cidades estão buscando controles, criando taxas e impostos visando a isonomia fiscal e tributária com a empresa hoteleira. No Brasil, o hotel tem obrigações que envolvem o cadastramento no Ministério do Turismo; emissão de nota fiscal; pagamentos de impostos e taxas; direitos autorais (ECAD); registros de hóspedes (proteção ao menor; segurança pública); alvará de funcionamento, incluindo autorização de Corpo de Bombeiros da cidade e da saúde pública, entre outros. A concorrência é desigual. O setor está ameaçado pelo avanço tecnológico e a falta de apoio dos legisladores, principalmente nos Municípios.

Será que Porto Alegre poderá ser a primeira cidade do País a buscar a isonomia fiscal dos sistemas de intermediações de aluguéis (plataformas digitais) com as imobiliárias? Na realidade são imobiliárias virtuais sem registros oficiais. Estão nas “nuvens” concorrendo no mundo real. Será? Respeitam-se todas as opiniões contrárias. São reflexões. Podem ser úteis. Pensem nisso.


Comentários



Newsletter background

Receba nossas novidades